A relação do consumidor com os esportes durante a quarentena e a volta do futebol
01/07/2020
O impacto do marketing de influência nas estratégias de PR
Marketing de influência e o papel da agência de PR
05/08/2020
Exibir tudo

Como a pandemia transformou a Comunicação de marcas e produtos

Confira as principais tendências detectadas e as melhores práticas adotadas pelo time da Máindi para criar influência nesse período desafiador

O avanço do novo Coronavírus, caracterizado como pandêmico pela Organização Mundial da Saúde em março, passou a ser a principal pauta do jornalismo e alterou a rotina das redações no mundo inteiro. Com a adoção do trabalho remoto em quase todas as atividades, o setor de Comunicação e Relações Públicas teve de converter rapidamente suas rotinas e  reorganizar práticas de trabalho, estreitar contatos com clientes, jornalistas e influenciadores e intensificar a pesquisa de temas e espaços para divulgação.  

Um reflexo positivo do movimento foi um aumento da credibilidade da imprensa, conforme indicou uma pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha, logo no início da pandemia. Naquele momento, a população apontou que os programas jornalísticos das emissoras de televisão (61%) e os jornais impressos (56%) eram as fontes com maior índice de confiança sobre as informações acerca da doença. O consumo de mídias digitais aumentou bastante neste período. 

No entanto, os impactos negativos também atingiram as redações, impondo um cenário desafiador para as equipes e coberturas:

Pauta única – Algumas editorias, como a de Esportes, foram drasticamente reduzidas, paralisadas ou adaptadas à cobertura exclusiva da pandemia e seus desdobramentos, como impactos na economia e na saúde mental, hábitos adotados na quarentena e tendências de retomada dos negócios. Muitos repórteres tornaram-se generalistas e foram alocados para cobertura de pautas relacionadas à doença. 

Jornalismo remoto – Mesmo classificado como atividade essencial, muitos veículos optaram pelo trabalho remoto. Nesse momento, o nosso bom relacionamento e proximidade com os profissionais fica ainda mais relevante e requer tato e estratégia extras nos contatos, que passaram a ser feitos mais por WhatsApp do que por e-mail. Também exige mais cuidado e disponibilidade da nossa equipe na orientação dos clientes nas entrevistas, já que muitas passaram a ser realizadas por plataformas digitais de vídeo ou transmitidas ao vivo por canais sociais ou serviços de transmissão online.

Precarização – A atividade de comunicação também foi impactada pela crise econômica devido a baixa de diversos segmentos anunciantes como varejo e turismo. Por isso, muitas empresas reduziram contratos e equipes por conta da queda de faturamento, com cortes de pelo menos 25% dos salários e demissões. A cobertura presencial também deixou jornalistas contaminados pela doença ou ameaçados por pressões políticas. Como resultado, a sobrecarga de trabalho e o risco de contaminação passam a fazer parte da rotina de muitos profissionais de imprensa, restringindo ou tornando as divulgações mais sensíveis a esta realidade.  

Em meio às mudanças, o time de atendimento da Máindi traçou estratégias que permitiram  acompanhar os novos arranjos das redações e coberturas jornalísticas e posicionar os clientes na mídia. Diante do “novo normal” das redações, definimos as seguintes estratégias para trabalhar a divulgação das marcas que representamos:

Novos canais e parcerias – A partir da identificação de veículos e influenciadores que passaram a fazer lives, podcasts e outras iniciativas de mídia, sugerimos nossos clientes para entrevistas, parcerias e colaborações em artigos. Também intensificamos a divulgação regional e a produção de conteúdos para os canais dos clientes.

Análise de mercado – Realizamos pesquisas para identificar e antecipar tendências de mercado nos países que tiveram melhores resultados no combate à pandemia com o objetivo de posicionar clientes e porta-vozes na mídia como especialistas em suas áreas de atuação, contribuindo para suas estratégias de negócios.

Relacionamento – Estreitamos os contatos com as redações e jornalistas para identificar a melhor forma de abordagem nesse momento delicado, diante de profissionais mais exigidos e com cobertura mais intensa e focada num único assunto. Procuramos adotar uma postura mais colaborativa e empática e contribuir com sugestões de pauta ainda mais relevantes, criativas e assertivas.   

Tendências de comunicação detectadas

Reputação corporativa em alta – Diante do atual cenário de insegurança sanitária, crise econômica e instabilidade política, a desigualdade e os problemas sociais ficaram mais evidentes e as empresas também passaram a ser mais cobradas em relação à forma como se posicionam e contribuem com a sociedade. Neste contexto, o papel da comunicação tornou-se ainda mais estratégico para alinhar as práticas ao discurso das marcas. Saem na frente as marcas têm uma identidade autêntica, que sabem com quem estão falando e têm uma comunicação coerente com suas ações. Ainda que o altruísmo e a solidariedade estejam em alta, mais do que nunca, é fundamental apoiar causas que estejam conectadas com um propósito real e ao ecossistema do negócio. As pautas e campanhas publicitárias oportunistas devem ser evitadas, assim como a associação com influenciadores de reputação duvidosa. E em caso de crises ou mensagens problemáticas, é importante reconhecer o erro, corrigir possíveis falhas com agilidade e procurar adotar processos que possam trazer transformações efetivas para o negócio.

Novos hábitos impostos pela pandemia – As medidas de combate à disseminação da doença obrigaram a sociedade a adotar novos comportamentos preventivos, como o reforço de medidas de limpeza e higiene, o distanciamento social e o uso de máscaras. Com a adoção compulsória do trabalho, estudos e diversão em casa, novos hábitos de consumo e relacionamento despontaram, como o maior uso de redes sociais e tecnologias para chats, reuniões e transmissões ao vivo, compras pela internet, exercícios físicos em casa. Também ganharam força coberturas relacionadas a realização de processos seletivos e treinamento remotos; adaptações no escritório para a retomada das atividades presenciais e maior consumo de entretenimento via streaming.    

Marketing ficou ainda mais digital Muitos veículos, jornalistas, influenciadores e celebridades passaram a utilizar as redes sociais para gerar conversas, criar conteúdos, entreter e engajar a audiência confinada e conectada. Com isso, surgiram muitas oportunidades de mídia espontânea, paga ou para os próprios canais e e-commerce das marcas. 

Retomada dos negócios e “novo normal” – Imaginar o futuro tornou-se essencial para adaptar os negócios às medidas preventivas para conter a transmissão do novo Coronavírus e planejar a retomada das atividades. A aceleração recorde da transformação digital das empresas, os setores mais preparados para o “novo normal”, como será a loja do futuro, delivery de tudo, live marketing e outras inovações relacionadas ao mundo dos negócios e do marketing ganharam espaço no noticiário.  

Resultados alcançados – Mesmo com toda a reviravolta nos negócios que obrigou empresas a rever planejamentos, planos de expansão e lançamentos, atingimos ótimos resultados graças ao empenho e criatividade do nosso time em descobrir o que chama atenção da mídia para criar influência e reputação para os clientes. E tudo isso só é possível quando alinhado ao bom relacionamento e interação com as interfaces, possibilitando um atendimento em comunicação totalmente alinhado às estratégias. Nossos resultados do 1o semestre mostram que as marcas tiveram destaque, principalmente, nas mídias digitais, onde a maior parte da audiência estava concentrada, em pautas sobre a retomada das atividades, comportamentos adotados durante a quarentena, novas práticas empresariais implementadas, ações de relacionamento e inovação em empreendedorismo. São estes:

  • 29 clientes atendidos;
  • 1.390 inserções totais, sendo:

Tipo de mídia:

  • 1.301 em veículos online;
  • 24 em TV;
  • 13 em rádio e podcasts;
  • 52 em mídia impressa;

Qualificação:

  • 100% proativas e positivas; 
  • 217 tier 1;

Retorno de mídia:

  • R$ 128.516.078,89 (valor economizado em mídia paga nos últimos seis meses com a geração de pauta orgânica).

Como a Máindi pode te ajudar? 
Nosso negócio é criar influência para marcas através de projetos de comunicação, e esse trabalho, muitas vezes, envolve o cruzamento de serviços de Relações Públicas, Marketing Digital e Conteúdo. Atuamos desde a seleção criteriosa de influenciadores para produzir lives e ações de seeding, ao planejamento estratégico de comunicação para divulgar produtos e empresas na mídia. Também produzimos conteúdos de marca para gerar conversas e engajamento, posicionamento em mecanismos de busca e ampliar ou reforçar a reputação da empresa ou porta-voz como especialista em sua área de atuação.

Bitnami